Procure nas minhas páginas...

Sunday, December 20, 2009

Descendencia...


Chama-se Itamar esse nene fofinho que eh meu bisneto!

Friday, October 16, 2009

Excerto de um artigo muito realista...




CRÍA TUS HIJOS CON UN POCO DE HAMBRE Y UN POCO DE FRÍO


.......
Papás que compensan la falta de atención a sus hijos con bienes materiales. Los inscriben en las mejores escuelas, los rodean de lujos y comodidades y piensan que con eso ya cumplieron con su tarea de padres, cuando lo único que han logrado es formar niños que desconocen el hambre, y tiran lo que no les gusta.Hijos tiranos, pequeños monstruos insoportables y prepotentes que sufrirán y harán sufrir a sus semejantes porque desde pequeños se han salido con la suya.

Muchachitos que creen que sentir frío o calor es cuestión de aire acondicionado, que el cansancio que han sentido se limita a caminar unas cuadras porque no hallaron estacionamiento frente a la discoteca, jovencitos que piensan que el trabajo de los padres es firmar cheques para que ellos tengan todo lo que se les antoja.

¿Qué posibilidades tienen nuestros hijos de convertirse en hombres y mujeres de bien, si los papás les damos todo y no les educamos la voluntad?

¿Qué hijos estamos formando si con nuestra actitud les mostramos que el dinero es lo más importante en la vida?

Confucio decía 'Educa a tus hijos con un poco de hambre y un poco de frío'. 'Proverbios' señala 'Corrige a tus hijos'. Cuánto bien hacen los padres a los hijos cuando ponen esa máxima tan sencilla en práctica. Y cuánto daño les hacen al ponerles todo en bandeja de plata.

Hay muchas realidades que como padres quisiéramos desaparecer; el sufrimiento de los hijos, el exceso de sudor, de esfuerzo, y las carencias económicas. Sin embargo, quizás esas realidades no los hagan felices de momento, pero a la larga puedan forjarlos como hombres y mujeres de bien.

Ojala que más padres de familia tengan la inquietud de enterarse por dónde andan sus hijos. Que no les vaya a pasar que cuando tengan tiempo deban decir: 'Estaba demasiado ocupado y no me di cuenta'. 'Encárgate hoy de lo posible, que Dios se encargará por ti de lo imposible'.



Desconheço o autor(a)

Monday, October 12, 2009

Wednesday, September 09, 2009

Thursday, September 03, 2009

FOTOMONTAGEM

É muito especial brincar com fotos montagens... adorei e fiz um monte!
Posted by Picasa

Wednesday, August 12, 2009

Saturday, August 01, 2009

Thursday, July 23, 2009

Wednesday, May 13, 2009

Repassando por ser excelente e... verdadeiro !


Na cidade de Joinville houve um concurso de redação na rede municipal de ensino. O título recomendado pela professora foi: 'Dai pão a quem tem fome'. Incrível, mas o primeiro lugar foi conquistado por uma menina de apenas 14 anos de idade. E ela se inspirou exatamente na letra de nosso Hino Nacional para redigir um texto, que demonstra que os brasileiros verde amarelos precisam perceber o verdadeiro sentido de patriotismo. Leiam o que escreveu essa jovem. É uma demonstração pura de amor à Pátria e uma lição a tantos brasileiros que já não sabem mais o que é este sentimento cívico.


'Certa noite, ao entrar em minha sala de aula, vi num mapa-mundi, o nosso Brasil chorar: O que houve, meu Brasil brasileiro? Perguntei-lhe! E ele, espreguiçando-se em seu berço esplêndido, esparramado e verdejante sobre a América do Sul, respondeu chorando, com suas lágrimas amazônicas: Estou sofrendo. Vejam o que estão fazendo comigo... Antes, os meus bosques tinham mais flores e meus seios mais amores. Meu povo era heróico e os seus brados retumbantes. O sol da liberdade era mais fúlgido e brilhava no céu a todo instante. Onde anda a liberdade, onde estão os braços fortes? Eu era a Pátria amada, idolatrada. Havia paz no futuro e glórias no passado. Nenhum filho meu fugia à luta. Eu era a terra adorada e dos filhos deste solo era a mãe gentil. Eu era gigante pela própria natureza, que hoje devastam e queimam, sem nenhum homem de coragem que às margens plácidas de algum riachinho, tenha a coragem de gritar mais alto para libertar-me desses novos tiranos que ousam roubar o verde louro de minha flâmula. Eu, não suportando as chorosas queixas do Brasil, fui para o jardim. Era noite e pude ver a imagem do Cruzeiro que resplandece no lábaro que o nosso país ostenta estrelado. Pensei... Conseguiremos salvar esse país sem braços fortes? Pensei mais... Quem nos devolverá a grandeza que a Pátria nos traz? Voltei à sala, mas encontrei o mapa silencioso e mudo, como uma criança dormindo em seu berço esplêndido.'

Texto recebido por e-mail

Friday, May 01, 2009

Friday, March 27, 2009

Tuesday, March 17, 2009

Offer - Alanis Morissette

MADE BY... eusinha




O joguinho americano de duas peças (feito em tear de pente liço) é para Solange e Írio... e a blusa de crochet é para minha filha Sandra.

Wednesday, March 11, 2009

Louis Armstrong - What A Wonderful World

I wish humans could learn to be that way, too! This is something great to watch this video!

Thursday, March 05, 2009

A Frase Do Ano...


...segundo o email que recebi de uma amiga:


"Me joga no Google, me chama de pesquisa e diz que eu sou tudo que você procurava."

Sunday, March 01, 2009

COMO CHEGAR AO CORAÇÃO DE UMA MULHER



Conta-se, que no pico mais alto do Tibete, vivia o homem mais sábio do mundo. Uma vez, um jovem pediu-lhe ajuda para descobrir o caminho que o levasse ao coração da mulher por quem se tinha apaixonado.

Quando encontrou o sábio no cume da montanha, perguntou-lhe:
-Diz-me, Mestre dos Mestres: Qual é o caminho mais curto, seguro e direto, para chegar ao coração de uma mulher?
O Mestre respondeu:- Meu filho, não há nenhum caminho seguro para chegar ao coração de uma mulher; só encontrarás precipícios, penhascos, arbustos espinhosos e serpentes venenosas.

- Mas então Mestre: o que é que devo fazer para conquistar o coração da minha amada?

- Lembra-te, amado Discípulo: conserva na tua mente e no teu coração os ensinamentos e os conselhos que te darei... Segue-os fielmente e chegarás ao coração da mulher que amas.
1. Lava os dentes.
2. Nunca coce o saco na frente dela.
3. Oferece-lhe flores e muitos, mas mesmo muitos, presentes.

4. Levanta a tampa do vaso antes de urinar e baixa sempre depois.

5. Lava as mãos quando saíres do banheiro.
6. Não mastigues com a boca aberta.

7. Não arrotes ruidosamente ou, melhor não arrotes nunca.

8. Não sejas grosseiro.
9. Não fales mal da mãe dela; ama-a como se fosse tua mãe.

10. Não digas "palavrões".

11. Ria sempre das piadas dela.

12. Não tenhas ciúmes dela, talvez só um pouquinho.

13. Deixa que ela tenha ciúmes de ti. Ela pode ter.
14. Não cries barriga. E mais, nunca engordes. Ela pode (mas nunca lhe digas).

15. Não te demores no banheiro.

16. Não deixes a toalha caída no chão.

17. Não lhe digas que não sabe dirigir
18. Não chegues tarde a casa. Sai do trabalho e vai imediatamente para casa.

19. Não te entretenhas com os amigos. Ou melhor, não tenhas amigos.

20. Não sonhes em ter amigas.

21. Nunca olhes nem fales da beleza das amigas dela
22. Não sejas avarento. Usa pelo menos dois cartões de crédito.

23. Não olhes para outras mulheres. E mais, entende de uma vez que não existem outras mulheres.

24. Diz "Eu Te Amo" pelo menos 24 vezes por dia.

25. Aprende a cozinhar.
26. Lava os pratos e deixa a cozinha limpa.

27. Faz a cama (sempre).

28. Telefone de qualquer lugar.

29. Deixa ela comprar roupa, sapatos, etc. sempre que ela quiser. E mais, acompanha-a, elogiando o que ela deseja comprar (sorri enquanto caminhas).

30. Deixa que ela fale durante horas ao telefone.
31. Não ressones.

32. Lembra-te que não gostas de futebol e que odeias as corridas de Fórmula 1.
33. Não penses somente em sexo, mas por outro lado também não exageres; procure-a com frequência, mesmo que estejas cansado ou sem desejo.

34. Respeita quando ela tiver enxaqueca, mas se ela te pedir deves satisfazê-la imediatamente. Ah! E depois não comeces logo a dormir! Deves olhá-la nos olhos e acariciá-la até que ela adormeça tranquilamente.

35. Diz-lhe a todo o momento que ela é a mulher mais bela que já viste.

O Discípulo, agoniado, volta-se e começa a descer a montanha, e o Mestre diz-lhe:

- Meu filho, espera! Volta aqui!
E o Discípulo responde: - Não, Mestre... Não preciso que me diga mais nada.

Agora entendo porque é que há tanto viado na Terra!!!

Thursday, February 19, 2009

Quindins na portaria




Estava lendo o novo livro do Paulo Hecker Filho, Fidelidades, onde, numa de suas prosas poéticas, ele conta que, antigamente, deixava bilhetes, livros e quindins na portaria do prédio de Mário Quintana: "Para estar ao lado sem pesar com a presença". Há outras histórias e poemas interessantes no livro, mas me detive nesta frase porque não pesar aos outros com nossa presença é um raro estalo de sensibilidade.

Para a maioria das pessoas, isso que chamo de um raro estalo de sensibilidade tem outro nome: frescura. Afinal, todo mundo gosta de carinho, todo mundo quer ser visitado, ninguém pesa com sua presença num mundo já tão individualista e solitário. Ah, pesa. Até mesmo uma relação íntima exige certos cuidados. Eu bato na porta antes de entrar no quarto das minhas filhas e na de meu próprio quarto, se sei que está ocupado. Eu pergunto para minha mãe se ela está livre antes de prosseguir com uma conversa por telefone. Eu não faço visitas inesperadas a ninguém, a não ser em caso de urgência, mas até minhas urgências tive a sorte de que fossem delicadas. Pessoas não ficam sentadas em seus sofás aguardando a chegada do Messias, o que dirá a do vizinho. Pessoas estão jantando. Pessoas estão preocupadas. Pessoas estão com o seu blusão preferido, aquele meio sujo e rasgado, que elas só usam quando ninguém está vendo.Pessoas estão chorando. Pessoas estão assistindo a seu programa de tevê favorito. Pessoas estão se amando. Avise que está a caminho. Frescura, jura? Então tá, frescura, que seja. Adoro e-mails justamente porque são sempre bem-vindos, e posso retribuí-los, sabendo que nada interromperei do lado de lá. Sem falar que encurtam o caminho para a intimidade. Dizemos pelo computador coisas que, face a face, seriam mais trabalhosas. Por não ser ao vivo, perde o caráter afetivo? Nem se discute que o encontro é sagrado. Mas é possível estar ao lado de quem a gente gosta por outros meios. Quando leio um livro indicado por uma amiga, fico mais próxima dela. Quando mando flores, vou junto com o cartão. Já visitei um pequeno lugarejo só para sentir o impacto que uma pessoa querida havia sentido, anos antes. Também é estar junto. Sendo assim, bilhetes, e-mails, livros e quindins na portaria não é distância: é só um outro tipo de abraço.


by MARTHA MEDEIROS

Wednesday, February 11, 2009

MARIDO CARINHOSO...



Uma noite, depois quase 40 anos de casados, o casal está na camaquando a mulher sente que seu marido começa a acariciá-la como nãofazia há muito tempo.
Ele começou no pescoço, desceu pelo dorso até as nádegas;voltou nopescoço, nos ombros, nos seios e parou na barriga; colocou a mão naparte interna do braço esquerdo, passou no seio, na nádega. Na pernaesquerda até o pé, subiu na parte interna da coxa e parou bem em cimada perna. Fez a mesma coisa na parte direita e, de repente, vira as costas e nãofala uma palavra.
A esposa, já 'acesa', lhe diz carinhosamente: -Querido, estava maravilhoso, por que parou?
E ele resmungando: -JÁ ENCONTREI O CONTROLE REMOTO!



Texto recebido por email - repasso

Monday, January 26, 2009

Endereço errado... cuidado :-)


Um casal decide passar férias numa praia do Caribe, no mesmo hotel
onde passou a lua-de-mel 20 anos antes.
Por causa do trabalho, a mulher não pôde viajar com o marido. Deixa para ir alguns dias depois. Quando o homem chega a seu quarto de hotel, vê que há um computador com acesso à Internet. Decide então enviar um e-mail à mulher, mas erra uma letra sem perceber e o envia a outro endereço. O e-mail é recebido por uma viúva que acabara de chegar do enterro do marido.
Ao conferir seus e-mails, ela desmaia instantaneamente.
O filho, ao entrar em casa, encontra a mãe caída perto do computador. Na tela está escrito: Querida esposa... Cheguei bem! Provavelmente você se surpreenda ao receber notícias minhas por e-mail. Mas agora tem computador aqui e pode-se enviar mensagens às pessoas queridas.
Acabo de chegar e já me certifiquei de que está tudo preparado para você vir na sexta que vem. Tenho muita vontade de te ver, e espero que sua viagem seja tão tranqüila como está sendo a minha .
OBS: Não traga muita roupa. Aqui faz um calor infernal...

João

Wednesday, January 21, 2009

Se eu chegar aos 70...



Uma septuagenária resolveu fazer hidroginástica.
Cheia de gás e autoconfiança, entrou na secretaria da academia.
Mal chegou, a professora olhou-a de cima abaixo e avisou:
- Precisamos proceder a uma avaliação.
Pegou uma ficha, preencheu com seu nome e endereço e mandou brasa:
- Então a senhora já tem mais de sessenta anos?
- Pois é, minha filha, há dezesseis anos virei sexy.
- Como? A senhora disse sexy?
- É, sexy de sexagenária, entendeu?
- A senhora tem falta de ar?
- Não, tenho falta de dinheiro.
- Às vezes sofre de tontura?
- Sofro com as tonteiras dos outros.
- Tem hipertensão?
- Não, tenho hipertesão..
- É diabética?
- Não, sou diabólica.
- Tem alergia?
- A mulher.
A esta altura, a moça não se conteve:
- A senhora é doida?
- Por Homem!!!

Wednesday, January 14, 2009

Sob o ódio dos vizinhos

Reportagem de Thomaz Favaro e Duda Teixeira,
publicada na revista Veja, Edição 2095 - Ano 42, #2, págs. 52 a 57


Se a contagem do tempo começar pelo ano em que o primeiro grupo armado foi organizado pelos judeus para proteger suas povoações de salteadores árabes, em 1909, judeus e árabes engalfinham-se pela posse da Palestina há pelo menos 100 anos. Nesse século de atrocidades mútuas, cada lado tem sua parcela de culpa no fato de se passar tanto tempo procurando um caminho para a paz quando a paz deveria ser o caminho. Por que a paz não encontra quem a patrocine naquela região? As causas da guerra no Oriente Médio são de natureza diversa – étnica, religiosa, geopolítica e ideológica. Elas se interpenetram de tal modo que a solução de uma acaba agravando a outra. O resultado é que todas as chances de paz foram abortadas por um lado ou outro – mais recentemente sempre pelos palestinos e pelos países árabes que lhes dão apoio. Há duas semanas, Israel está de novo oficialmente em guerra com um de seus vizinhos. Já esteve em 1948, ano de sua criação como estado independente, em 1956, 1967, 1973, 1982 e 2006. Israel venceu todas essas guerras, mas as vitórias militares acabaram produzindo novas complicações e adiando ainda mais a solução definitiva para o conflito.
As duas semanas de ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza, com todos os seus horrores, podem facilmente ser vistas como mais uma erupção de violência dessa rixa crônica. Afinal, esta é a quarta vez que tropas israelenses invadem a Faixa de Gaza, uma nesga de solo arenoso, superpovoada e muito pobre, desde 1948. Da penúltima vez, a ocupação se prolongou por 38 anos, só terminando em 2005. O conflito será mais bem compreendido, no entanto, se for examinado pelo que tem de diferente dos anteriores. "Essa não é mais uma guerra árabe-israelense. Nem sequer se pode falar em conflito israelo-palestino, já que metade da Palestina não está com o Hamas", disse a VEJA o paquistanês Kamran Bokhari, diretor de pesquisas sobre o Oriente Médio da Stratfor, uma consultoria de geopolítica com sede nos Estados Unidos. "Muitos palestinos na Cisjordânia entendem que o Hamas é parte do problema." O Hamas é uma organização radical islâmica, dominada pelo fanatismo e que usa métodos terroristas. Seus líderes são proponentes do jihadismo, o movimento cujo objetivo mais geral é a guerra santa em nome do Islã e cujo objetivo mais específico é a destruição do Estado de Israel. O Hamas domina corações e mentes em Gaza. Tem, portanto, legitimidade política. Essa é a tragédia. O Hamas não pode ser derrotado militarmente.
A diversidade na Palestina é maior do que aparenta ser. Vivem ali várias confissões religiosas – cristãos, drusos e, naturalmente, judeus –, mas o Hamas sustenta que o território deve ser um pedaço exclusivamente muçulmano de um futuro império islâmico. Isso sinaliza a ascensão de um novo complicador no conflito centenário. Apesar de contrapor judeus a muçulmanos, a disputa até agora tinha sido basicamente laica, de cunho nacionalista, sobre quem era ou não um povo e qual deles tinha ou não direito a um estado próprio. O Hamas é um fiel escudeiro do Irã, que lhe fornece armas (aí a origem dos mísseis lançados da Faixa de Gaza contra cidades israelenses), treinamento militar e dinheiro. Ainda que em microdimensões e por meio de intermediários, o ataque ao Hamas pode ser visto como uma espécie de "guerra por procuração" – na definição do historiador israelense Benny Morris, da Universidade Ben-Gurion, em Beersheba – entre Israel e os aiatolás de Teerã.
Os iranianos podem muito bem ter incentivado o Hamas a rejeitar a renovação do cessar-fogo – e a iniciar o insano foguetório que atraiu a devastadora reação militar – para desviar a atenção dos israelenses, que pareciam estar se preparando para um ataque preventivo às instalações nucleares do Irã. Há estimativas de que os iranianos estejam a dois ou três anos de obter sua primeira bomba nuclear. Israel sabe que os jihadistas não são totalmente racionais. Ou, pelo menos, não da forma como se vê em governos responsáveis, cuja preocupação primordial são a segurança e a prosperidade de seu povo. A ameaça de aniquilação mútua garantiu o equilíbrio entre o Kremlin e a Casa Branca durante a Guerra Fria. Devido à fixação mental no autossacrifício e no martírio, sanções e represálias não funcionam tão bem com os aiatolás iranianos ou com os xeques do Hamas. Se Teerã tiver a bomba nuclear, é provável que decida usá-la, seja por motivos ideológicos, seja por medo de que Israel, que tem um formidável estoque de armas nucleares, possa atacar primeiro. Meses de bloqueio israelense e sanções estabelecidas pelos Estados Unidos, União Europeia e Egito não conseguiram fazer com que o Hamas moderasse sua demagogia religiosa e seu discurso racista – razões, por sinal, da imposição de sanções.
Depois de uma trégua tensa que durou seis meses, o movimento islâmico se pôs a disparar foguetes sobre as cidades israelenses para demonstrar que a jihad está viva e em boa forma. Por certo não tinha ilusões de que a represália era inevitável e seria, como de hábito, devastadora. Fiel ao culto do martírio, o Hamas agiu diligentemente para atrair a formidável máquina de guerra israelense para as vielas apinhadas das cidades e favelas de Gaza, onde acreditava que seria mais fácil combatê-la. As mortes e a destruição causadas pela ofensiva israelense são dolorosas de observar. Na última sexta-feira, as estimativas eram de 750 palestinos mortos, entre os quais uma quantidade enorme de crianças. Só no ataque a uma escola da ONU repleta de refugiados foram mortas quarenta pessoas. Famílias inteiras acabaram dizimadas por bombardeios aéreos. Uma proposta de cessar-fogo apresentada pelo Conselho de Segurança da ONU foi rejeitada por ambas as partes na sexta-feira passada.
O conflito em Gaza aprofundou o cisma regional entre a facção da "resistência" – que inclui o Irã, a Síria e suas milícias aliadas, o Hezbollah no Líbano e o Hamas na Palestina – e os chamados moderados, favoráveis à paz negociada com Israel. Esse grupo é formado pela maioria dos países, encabeçados por Egito, Jordânia, Arábia Saudita e pela Autoridade Palestina na Cisjordânia. Alguns deles, como o Egito, com o qual Gaza faz fronteira, criticaram abertamente o Hamas por provocar o conflito. O governo egípcio não tolera a conexão entre o Hamas e a Irmandade Muçulmana, o principal movimento de oposição no país. A Arábia Saudita apoia quase abertamente qualquer coisa que os israelenses façam para conter a influência dos xiitas do Irã no Oriente Médio. O primeiro pelotão, o da rejeição, tem a esperança de que o Hamas sobreviva ao ataque em condições de demonstrar que Israel não é capaz de esmagar todos os seus inimigos. O segundo grupo torce descaradamente pela derrota do extremismo islâmico em Gaza. O mesmo debate está aceso entre os palestinos, a ponto de o presidente Mahmoud Abbas ter a ousadia de responsabilizar o Hamas pelo início da guerra.
Quando Israel se retirou unilateralmente da Faixa de Gaza, em 2005, deu aos palestinos a oportunidade de demonstrar sua capacidade de gerir o próprio estado. Três anos e meio depois, está claro que os palestinos falharam em seu objetivo. "Eles preferiram investir na construção de túneis e no contrabando de armas a financiar um bom governo para a população palestina", diz o historiador Benny Morris. As condições de vida na Faixa de Gaza continuaram miseráveis. Metade dos trabalhadores está sem emprego e sete em cada dez dependem de doações internacionais para se alimentar. A ajuda minguou depois da vitória do Hamas nas eleições de 2006. Os Estados Unidos e a União Europeia, que têm o grupo em sua lista de organizações terroristas, cortaram linhas de financiamento à região. As chances de criar um estado palestino se tornaram mais remotas depois do golpe militar que expulsou o Fatah de Gaza. Desde 2006, cerca de 750 palestinos morreram em lutas fratricidas – número semelhante ao das mortes causadas pelos ataques israelenses.
Curiosamente, essa realidade multifacetada tornou-se preto-e-branco na reação da imprensa, dos diplomatas e da maioria dos governantes. Israel é basicamente considerado um estado truculento, que – esta é a opinião expressa pelo governo do presidente Lula – reagiu de forma desproporcional aos foguetes do Hamas. O argumento baseia-se bastante na discrepância de baixas (catorze israelenses mortos até a sexta-feira passada). Essa é uma conta difícil de ser feita por quem considera que cada vida é preciosa. Na verdade, o estado judeu não está respondendo aos projéteis lançados nas últimas duas ou três semanas, mas a anos de ataques indiscriminados contra os 750 000 israelenses que vivem próximos à fronteira com a Faixa de Gaza. A ofensiva contra o Hamas está sendo realizada com força poderosa e agressividade tática, estratégia militar cujo objetivo é reduzir as próprias perdas e esmagar o inimigo. Não é assim que se ganham as guerras? "Trata-se de um estado soberano defendendo sua integridade e seus habitantes", disse a VEJA Paul Scham, que ensina história israelense na Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.
É paradoxal, mas não inesperado, que Israel, a única democracia do Oriente Médio, esteja perdendo gradualmente a simpatia da opinião pública no exterior. A malhação, antes confinada à extrema esquerda, tornou-se parte integrante do populismo antiocidental. Muitos partidos de esquerda agora consideram o antissionismo como um pré-requisito para seus afiliados e não se acanham em denunciar a "conspiração judaica", na melhor tradição antissemita. "Por que a esquerda europeia, e globalmente toda a esquerda, está obcecada em lutar contra as democracias mais sólidas do planeta, Estados Unidos e Israel, e não contra as piores ditaduras?", questionou em uma palestra a jornalista catalã Pilar Rahola, que já foi deputada de esquerda na Espanha. O conflito entre árabes e judeus na Palestina é um nó difícil de desatar. Oportunidades de paz foram perdidas por ambos os lados e nada indica que se esteja mais perto de uma solução – ainda que todo mundo concorde que, quando dois povos disputam o mesmo pedaço de terra, a melhor solução é dividi-la em dois países. O que é fora de dúvida é que Israel não pode (e não vai) perder a guerra contra as forças da intolerância religiosa no Oriente Médio, representada agora pelos terroristas do Hamas. Israel é uma sentinela avançada da democracia e da civilização judaico-cristã cercada por nações e grupos políticos armados que formal e claramente lutam pela destruição do estado judeu e pela morte de todos os seus habitantes não-árabes. Também é fora de dúvida que não haverá paz enquanto os vizinhos hostis não aceitarem que a existência de Israel é legítima, que o país tem o direito de se defender e que o terrorismo destrói o que pretende construir (grifado por mim).

Thursday, January 08, 2009

Perguntas indiscretas... respostas diretas



Dois litros de leite atravessaram a rua e foram atropelados.
Um morreu, o outro não, por quê? Porque um deles era Longa Vida...

Por que o elefante não pega fogo?
Por que ele já é cinza,

Se o cachorro tivesse religião, qual seria?
Cão-domblé.

O que o cavalo foi fazer no orelhão?
Passar um trote...

O que dá o cruzamento de pão, queijo e um macaco?
X-panzé.

O que o tomate foi fazer no banco?
Foi tirar extrato...

O que a galinha foi fazer na igreja?
Assistir a Missa do Galo.

Como as enzimas se reproduzem?
Fica uma enzima da outra.

Por que a Coca-Cola e a Fanta se dão muito bem?
Porque se a Fanta quebra, a Coca-Cola!

Por que não é bom guardar o quibe no freezer?
Porque lá dentro ele esfirra.

Por que as plantas novinhas não falam?
Porque elas são mudinhas.

Por que o galo canta de olhos fechados?
Porque ele já sabe a letra da música de cor

Por que o Batman colocou o batmóvel no seguro?
Porque ele tem medo que robin.

Por que Perón não teve filhos?
Porque sua mulher Evita!

Como o Batman faz para que abram a bat-caverna?
Ele bat-palma.

Como se faz omelete de chocolate?
Com ovos de páscoa!

Por que na Argentina as vacas vivem olhando pro céu?
Porque tem 'Boi nos Aires'!

Por que o Maradona não gosta que chamem ele de craque?
Porque ele prefere cocaína...

Para que servem óculos verdes?
Para verde perto...

Para que servem óculos vermelhos?
Para vermelhor...

Para que servem óculos marrons?
Para ver marromenos...

Por que a mulher do Hulk divorciou-se dele?
Porque ela queria um homem mais maduro...

Por que o jacaré tirou o jacarezinho da escola?
Porque ele réptil de ano.

Você sabe qual e o contrário de volátil?
Vem cá sobrinho.

Como se fala top-less em chinês?
Xem-chu-tian.

Se eu li, porque pouparia você?

(Texto recebido por email)